As restaurações do piso do Santo Sepulcro continuam

No convento de São Salvador, em Jerusalém, os líderes das Igrejas que promoveram a restauração do piso da Basílica do Santo Sepulcro, se reuniram para uma apresentação sobre o andamento da obra.

Estiveram presentes o Patriarca Grego Ortodoxo de Jerusalém, Teófilo III, o representante do Patriarca Armênio de Jerusalém, Arcebispo Nourhan Manoughian, Fr. Francesco Patton, Custódio da Terra Santa e Fr. Dobromir Jasztal, responsável pelo projeto.

O Patriarca Teófilo III falou do projeto como sendo muito importante para acolher os peregrinos e do desafio que cada passo representa. O padre Samuel, representante do patriarca armênio, destacou os desafios, mas também as possibilidades de colaboração entre as comunidades.

 

Um projeto de grande importância arqueológica e histórica:

ROBERTO ZECCHIN
Manens-Tifs
“Mesmo se tratando de uma igreja, no subsolo, há uma enorme quantidade de canos, cabos e ralos, que com o tempo foram sendo sobrepostos, se deterioraram e precisam de uma reforma total. Esta é uma oportunidade única para se realizar essa obra”.

PAOLO SETTE
Manens-Tifs
“Este é apenas o começo do que poderia e pode ser feito no futuro. Muitas coisas podem ser feitas se houver acordo entre as comunidades. Esta é uma premissa essencial para que as restaurações sejam realizadas”.

As obras para a restauração no piso da Basílica do Santo Sepulcro iniciaram oficialmente no último dia 14 de março e seguem em etapas.

Fr. DOBROMIR JASZTAL, ofm
Responsável pelo Projeto
“O projeto para a restauração do piso do Santo Sepulcro não é apenas sensível ou delicado, mas é muito complexo, porque depende de diferentes aspectos da situação do próprio piso e das diferentes etapas que a mesma restauração envolve. A primeira fase dizia respeito ao projeto de escavação arqueológica, que está em andamento. A segunda etapa, é a restauração das pedras do piso, as pedras históricas e a substituição daquelas que precisam ser recolocadas, compatíveis com o piso existente, que será restaurado. A etapa que apresentamos hoje é muito importante porque inclui as infraestruturas que vão ser instaladas debaixo do pavimento e vão finalmente permitir-nos preparar a restauração total do piso”.

FRANCESCA ROMANA STASOLLA
Arqueóloga da Universidade Sapienza de Roma
“Vamos seguir por setores: neste momento estamos diante da escavação de parte da Rotunda e parte do corredor norte, portanto, nos três pórticos do complexo constantiniano. O mais importante é trabalharmos em conjunto com os colegas restauradores, com os colegas que cuidam dos sistemas e nós, que cuidamos das escavações arqueológicas. Trabalhamos juntos porque este é um grande projeto no qual as coisas avançam juntas”.

Fr. FRANCESCO PATTON, ofm
Custódio da Terra Santa
"Estamos em um bom momento. Estamos de acordo quanto à parte do trabalho que será realizado debaixo do chão, as infra-estruturas, que depois também beneficiarão os peregrinos das três comunidades, e isso é funcional para o acolhimento dos peregrinos que, terminados os trabalhos de restaurção , poderão entrar num ambiente muito mais acolhedor, diria também muito mais bonito do ponto de vista estético e ao mesmo tempo muito mais adequado para sua própria estrutura".

Fr. DOBROMIR JASZTAL, ofm
Responsável pelo Projeto
Acredito que este projeto abra para todos nós diversas possibilidades de oferecer aos visitantes e peregrinos melhores condições e possibilidaedes de acolhê-los, criando o clima necessário para a oração e reflexão pessoal".

Um longo trabalho para preservar e dar maior dignidade a este Lugar Santo por excelência e para criar melhores condições de acolher os peregrinos. É o convite do Custódio da Terra Santa:

Fr. FRANCESCO PATTON,ofm
Custódio da Terra Santa
"O convite é para que venham com confiança, não tenham medo, mesmo que de vez em quando ouçam notícias divergentes. A Terra Santa é segura e sobretudo é segura para os peregrinos que têm a fé em Deus, como fonte de sua segurança”.

 

Fonte: CMC