Uma resposta de amor definitiva

Em Jerusalém a profissão solene de 11 freis

«Cumprirei ao Senhor as minhas promessas diante de todo o seu povo / nos átrios da Casa do Senhor, no meio de ti, Jerusalém»

O convite de participação da profissão solene é introduzido destas palavras do salmo 116: palavras que se tornaram realidade, sábado 15 de outubro, dia importante para toda a comunidade dos Frades Menores da Terra Santa, quando na Igreja de São Salvador em Jerusalém onze professos (provenientes da Itália, Síria, Iraque, Filipinas, África do Sul, Quênia, Moçambique, Malawi, Burundi) concluíram o seu percurso de discernimento e com a profissão solene dos votos fizeram o seu ingresso oficial na ordem dos Frades Menores.

A celebração foi presidida pelo Custódio da Terra Santa Fr. Francesco Patton, com a presença de diversos religiosos e religiosas provenientes de numerosos países, as famílias dos frades, alguns religiosos das igrejas maronita, siríaca e copta, além do guardião do convento o frei brasileiro Rodrigo Machado Soarez e os confrades da Custódia.

Dentre os que fizeram a profissão solene, cinco pertencem à Custódia da Terra Santa (fr. Jorge Paulo Jallouf e seu irmão fr. Johnny Jallouf, fr. Lorenzo Pagani, fr. Mark Vertido Palafox, fr. Noor Amash Tamas), um da Custódia autônoma de Santa Clara de Assis em Moçambique (fr. Joaquim Floriano José), dois na província de Nossa Senhora Rainha da Paz na África do Sul (fr. Diphapang Ezekiel Ntsala e fr. Patrick Moholobela) e três freis provenientes da Província de São Francisco na África, Madagascar e Maurício (fr. Amose Daniel Mwale, fr. Joseph Wambugu Kinyanjui e fr. Philippe Nikiza).

“Com todas as forças, com todo o impulso, todo o afeto”

«Vocês já pertenciam ao Senhor desde o dia do seu batismo»,  ̶ afirmou na homilia o Custódio da Terra Santa, fr. Francisco Patton – “mas agora esta sua pertença a Ele se aprofunda e se especifica através da profissão pública de observar o evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, vivendo em obediência, sem nada de próprio, e em castidade. E assim este ato se torna a resposta de toda a pessoa: uma resposta que abrange tudo o que vocês são. Para usar as palavras de São Francisco: “Com todo o coração, com toda a alma, com toda a mente, com toda a capacidade e a fortaleza, com toda a inteligência, com todas as forças, com todas as forças, com todo o impulso, todo o afeto, todos os sentimentos mais profundos, todos os desejos e as vontades”. Uma resposta de amor, que deve ser definitiva, e, como dizia o nosso padre fundador, “que nos abrange em toda parte, em todo lugar, em toda hora e em todo tempo, todo dia e ininterruptamente”.

Fr. Patton recorda aos freis que a perfeição evangélica está em seguir Jesus Cristo dia após dia, obedientes e castos para toda a vida, tendo o olhar fixo Nele, “permitindo que Jesus nos coloque de pé toda vez que caímos, e agarrado a Sua mão cada vez que estamos indo para o fundo”, sublinhando, além do mais, que é somente graças à ação de Jesus Cristo e do seu Espírito Santo, que podemos viver este chamado especial para segui-lo.

A celebração foi particularmente participada quando os professos se prostaram ao chão e escutaram a assembleia rezar para pedir a intercessão dos santos franciscanos e de toda a Igreja: ao final da ladainha, cada um dele, em sua própria língua, leu a fórmula da profissão pelas mãos do Custódio da Terra Santa. A alegria e o júbilo dos freis foram expressos com um caloroso abraço com os confrades presentes, momento tocante que foi destacado com um aplauso de todos.

O agradecimento dos freis professos

Ao final da missa, fr. Mark Vertido Palafox falou em nome de todos os professos, agradecendo a Deus por este dia solene, pelo dom da vida, pela possibilidade de ter podido viver e conhecer os lugares santos, pelo apoio das famílias (muitas das quais presentes na igreja) e pela participação de todos os presentes. Quis expressar gratidão sobretudo àqueles que foram importantes no caminho de formação: toda a ordem dos Frades menores, os provinciais, os guardiões das diversas comunidades da Custódia e o Discretório, evidenciando o precioso papel no discernimento da vontade de Deus. Em último lugar, um agradecimento especial ao padre Custódio da Terra Santa Francesco Patton, “que recebeu hoje os nossos votos solenes, em nome de Deus e da Ordem dos Frades Menores”.

 

Silvia Giuliano