Washington: O Custódio em visita fraterna ao comissariado de Terra Santa

Sábado, 12 novembro, no St. Francis Hall do comissariado da Terra Santa de Washington, com a presença do Padre Custódio, Fr. Francesco Patton, 160 pessoas se reuniram para o retorno, após três anos de interrupção, da missa anual com os benfeitores e o jantar de gala para recolher fundos.

“É uma alegria reencontrar após tanto tempo a irmãos, amigos, colegas e familiares para esta celebração”, disse Paul Schott Stevens. “É bonito ver a tradição ser renovada nesta noite, depois da interrupção da pandemia”. Stevens, advogado de Washington recentemente aposentado e membro de longa data do Conselho de administração da Custódia, se dirigiu aos presentes, na St. Francis Hall, em frente ao mosteiro, por ocasião do retorno do jantar de coleta de fundos. Durante o jantar, foi entregue a Stevens a medalha Grato Animo pelo P. Francesco Patton, OFM, Custódio da Terra Santa.

Em latim, Grato Animo significa “de alma agradecida”, disse padre Patton, “e é com gratidão que agradeço a Paul por tudo o que fez por nós franciscanos e por todos aqueles que servimos através da nossa missão na Terra Santa”.

“Quando a pandemia nos atingiu”, continuou o Custódio, “nos encontramos de repente isolados. E por dois anos estivemos praticamente colocados de lado pelo resto do mundo, sem a presença e o sustento dos peregrinos internacionais”.

Sustentar os lugares santos, manter abertas as escolas e dar trabalho aos cristãos de Belém e de outros lugares se tornou quase impossível.

“Estou aqui sobretudo para agradecer-lhes, estimados benfeitores, que continuaram a doar com alegria, apesar dos tempos difíceis que também vocês passaram”.

“Não seríamos capazes”, acrescentou, “sem o sustento de vocês que são os nossos primeiros benfeitores, que se tornaram nesta difícil situação as mãos de Deus misericordioso, o rosto concreto da Providência divina, a prova da solidariedade cristã”.

Durante a missa, na igreja do mosteiro que precedeu o jantar beneficente, o Custódio agradeceu a congregação “pela generosidade com a qual continuaram a apoiar-nos e a sustentar-nos nestes três anos muito difíceis. Lhes dico com toda a sinceridade”, prosseguiu, “sem o ajudo de vocês não teríamos conseguido sobreviver perante a quase total escassez de recursos na qual nos encontramos nestes últimos anos”.

Fazendo referência ao Evangelho de Lucas, Fr. Patton destacou que “guerras, terremotos, pandemias, crises econômicas e perseguições pertencem ao curso normal dos eventos da Igreja enquanto é presente neste mundo”. Depois, concluindo: “Isto não deve amedrontar-nos, mas estimular-nos a confiar sempre mais em Deus e recolocar toda a nossa fé em seu Filho Jesus”.

Stevens recordou que a sua peregrinação na Terra Santa há alguns anos atrás foi uma experiência que até hoje o emociona profundamente. “trouxe para casa as realidades vividas do nascimento, da vida, da morte e da ressurreição de Jesus, deixando a narração evangélica da nossa salvação, mais vivos em minha vida quotidiana”.

E a minha peregrinação me tornou ainda mais claro quanto foi o trabalho da Custódia nos últimos 800 anos e quanto seja de vital importância hoje”.

Seja ele que Hugh Dempsey, animador do evento, convidou aos participantes a colocar uma peregrinação para a Terra Santa em sua lista de coisas a fazer. “È algo que muda a vita”, disse Dempsey.

Durante o jantar, frei Alessandro Brustenghi, OFM, aclamado em nível internacional como a “voz de Assis”, prestigiou a todos o presentes com interpretações que variavam entre o aclamado “voar” ao familiar /" Make Me a Channel of Your Peace".